terça-feira, 22 de agosto de 2017

CONSELHO TUTELAR DE ALTAMIRA LIBERTA MENINO DE 10 ANOS QUE VIVIA ACORRENTADO EM QUARTO ESCURO

O corpo de bombeiros teve que ser acionado para quebrar os cadeados que prendiam a criança


“A criança estava atrelada à cama, tivemos que cortar com alicate o cadeado, pra poder libertar o garoto” conta o Sargento Arcangelo do 9º Grupamento de Bombeiros Militares de Altamira.

Curte nossa página no Facebook e fique atualizado!

Três cadeados, correntes, comida estragada embaixo da cama, ferimentos pelo corpo, marcas de surra com fio elétrico e um quarto escuro, sem ventilação e sujo, essas foram as condições que um garoto de 10 anos foi encontrado em uma casa durante a tarde desta terça (22), na periferia de Altamira região sudoeste do Pará.

O menino estava assustado e chorava após uma surra que segundo o conselho tutelar, durou uma hora. Ele sangrava pela orelha. A cena chocou moradores, vizinhos e equipes do Centro de Referência em Assistência Social. A polícia militar e o corpo de bombeiros foram acionados pelo Conselho Tutelar de Altamira.

“É inaceitável uma condição sub-humana como essa, todos os direitos dessa criança foram violados, toda e qualquer tutela desses pais precisa ser cancelada, vamos tirar o garoto daqui e encaminhar o caso para a justiça imediatamente, isso é um absurdo” explicou Lucenilda Lima, conselheira tutelar.

Segundo o que apurou o Conselho Tutelar, o garoto estava de castigo, por ter pego o celular de uma pessoa, ele foi deixado acorrentado pela mãe e o padrasto aos cuidados de uma idosa de 54 anos. A única alimentação que chegou para o garoto foi o café da manhã que se quer foi consumido, pois o copo virou na cama.

“O que estamos presenciando aqui é um cárcere privado de uma criança, uma atrocidade com os direitos desse menino” detalhou Lucenilda.

O menino foi encaminhado para exames e cuidados médicos na Unidade de Pronto Atendimento. O conselho Tutelar formalizou uma denúncia na Seccional Urbana de Altamira, pelos crimes de cárcere, tortura, agressão doméstica, violação do estatuto da criança e do adolescente entre outros, contra os pais.

DENÚNCIA

A equipe do Conselho Tutelar e órgãos da segurança pública só chegaram até a residência, na Rua WE7 no Bairro Colina, após denúncia anônima. O garoto já é um dos assistidos pelo centro, e faz acompanhamento. Segundo Kerly Gomes, coordenadora do CRAS, o menino também estava sem ir para a escola.

Por Felype Adms e Athaynara Farias | Xingu 230

 
▲ Topo>