quinta-feira, 16 de março de 2017

Flanelinha idoso é executado com tiro no rosto

Flanelinha idoso é executado com tiro no rosto (Foto: Divulgação) 

O corpo de Lucival Costa da Silva, de 61 anos, flanelinha, foi encontrado caído de bruços em via pública, trajando apenas uma cueca preta. Próximo a um monte de entulho, o cadáver foi coberto com um lençol e escondia o rosto desfigurado por um único disparo de arma de fogo à queima-roupa. Pelo menos 2 pessoas envolvidas no caso já foram identificadas pela polícia, mas os motivos ainda não foram esclarecidos.

Antes de ser morto, no início da madrugada de ontem (15) por volta de 1h, Lucival foi tirado à força por 2 homens de dentro de seu quarto, que fica em uma vila de kitnets, na mesma via onde ocorreu o crime, na travessa 3 de Maio, próximo à passagem Alvino, no bairro da Condor, em Belém.

Segundo informações do cabo da Polícia Militar (PM) João Meireles, da 1ª Companhia (Cia) do 20º Batalhão de Polícia Militar (BPM), a motivação do crime pode estar relacionada com uma recente discussão que a vítima teria tido com uma mulher. “Ele discutiu com ela. Por causa dessa discussão, o marido dela, que está preso, teria mandado um comparsa dele aqui de fora vir matar a vítima. O motivo dessa discussão ainda não foi esclarecido”, disse o policial militar.

Conforme o cabo PM João Meireles, depois de assassinar o flanelinha, os criminosos fugiram, inclusive, a mulher com quem ele teria tido a suposta desavença. “Não tivemos informações se ela participou, mas a mulher arrumou uma mochila e fugiu daqui”, concluiu.

Durante o levantamento de local de crime, os peritos do Centro de Perícias Científicas Renato Chaves constataram que Lucival foi atingido com apenas um tiro na região do rosto à queima-roupa. “Ele foi baleado com um tiro no rosto e pode ter sido de arma caseira”, disse Overlan Bastos, perito criminal.

Investigadores da Divisão de Homicídios (DH) colheram informações das circunstâncias do caso e depoimentos de testemunhas. Os dados foram encaminhados para a Seccional Urbana da Cremação, que ficará responsável pelo inquérito policial dos fatos. O corpo da vítima foi removido e levado para o Instituto Médico Legal (IML).

(Fabrício Nunes/Diário do Pará0

 
▲ Topo>