sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

11 AGENTES DE SEGURANÇA JÁ MORRERAM EM 2017

11 agentes de segurança já morreram em 2017 (Foto: DOL) 


A população do Pará já não sente mais segurança ao sair de casa. Cidadãos sentem medo de ir trabalhar, ir para faculdade e não retornar devido a grande violência e os altos índices de criminalidade que atingem a Região Metropolitana de Belém e o interior do Estado. O pior é que esse medo já se estendeu aos próprios profissionais de segurança pública. 
Apenas nos 48 primeiros dias deste ano, 11 agentes de segurança morreram no Pará. Entre eles estão sete militares, dois guardas municipais, um policial civil e um agente prisional. 
Nesses casos, estão incluídos a morte de sargento Luís André Costa Nascimento, que foi assassinado na noite de quinta-feira (16) e do soldado Moíses de Jesus Chaves, na manhã desta sexta-feira (17). Os casos aconteceram em menos de 12 horas. 
Esposas e familiares de PM's cobram diálogo com governo
Em entrevista ao DOL, nesta sexta-feira (17), o sargento Quadros, um dos coordenadores da Associação de Defesa dos Direitos dos Militares do Pará (ADDMP), lamentou a falta de segurança e os constantes crimes contra os agentes de segurança pública no Estado. "Infelizmente, não percebemos mudança para melhorar a segurança. Ficamos indignados, pois a cúpula da administração pública não toma providências, não cria ações de repressão ao crime. Não vemos investigação das mortes de policiais", lamenta. 
Ele reflete ainda sobre o perigo com a população. "Se conosco, que somos treinados, estão acontecendo tantos crimes, o que vai ser da sociedade? A insegurança é muito grande e é preciso fazer alguma coisa para mudar", afirma o sargento Quadros.
Em 2014, 2015 e 2016, pelo menos 34, 29, 26 policiais militares foram assassinados, respectivamente. Porém, esse número é ainda maior quando contabilizados os crimes envolvendo policiais civis, guardas municipais e agentes prisionais. 
Além dos agentes de segurança estarem a mercê da violência, familiares também sofrem com ameaças e crimes. "Os familiares também são ameaçados, já que muitos policiais moram na periferia, ao lado do traficante e na frente da casa do assaltante. Já tivemos casos de policiais que morreram na porta de sua casa. Isso poderia ser evitado se Governo tivesse uma política de moradia para os militares terem mais segurança", ressalta o sargento Quadros. 
Viúva de policia militar faz depoimento emocionado. Assista:
Morte do sargento Luís André
De acordo com informações do sargento Quadros, o militar não foi vítima de assalto. "Recebemos a informação de uma pessoa que estava dentro da van, que os meliantes chegaram deram duas coronhadas no André e o balearam. Eles ainda falaram para os passageiros ficarem tranquilos porque não era assalto e não iam fazer nada com mais ninguém", conta.
Sobre este assunto, o DOL aguarda posicionamento da Polícia Civil. 
Veja alguns casos de assassinatos de agentes de segurança pública:
2 de Janeiro 
O sargento J. Matos, da Polícia Rodoviária Estadual, morreu após ser baleado na cabeça. O tiro foi disparado por um colega de farda. O caso ocorreu em Quatro Bocas, no município de Tomé-Açu.
9 de janeiro 
O guarda municipal Wellison Carneiro Figueiredo, 29 anos, foi assassinado dentro da Escola Municipal Walter Leite Caminha, no bairro do Mangueirão, Belém. Os suspeitos mataram e roubaram a arma do agente de segurança.
20 de janeiro 
O soldado da Polícia Militar Rafael da Silva Costa, 29 anos, da Rotam, morreu durante uma troca de tiros com assaltantes, no bairro da Cabanagem, em Belém.
05 de fevereiro
O sargento da  Polícia Militar Manoel Vieira Moraes, 51 anos, foi morto em Outeiro, Região Metropolitana de Belém. O militar estava na corporação desde 1992.
05 de fevereiro 
O guarda municipal Diego Silva, 30 anos, foi morto por assaltantes no bairro da Guanabara, em Ananindeua. Os suspeitos roubaram a arma do agente.
07 de fevereiro 
O cabo da Polícia Militar Sergio Margalho, 55 anos, foi morto dentro da própria casa, em Abaetetuba, nordeste paraense. O acusado de cometer o crime é o sobrinho do militar.
07 de fevereiro 
A sargento da Polícia Militar Jocyanne de Fátima Souza Durans, da reserva, foi morta a tiros, em Canaã dos Carajás, no sudeste paraense. Até o momento não se sabe as causas do crime e ninguém foi preso.
07 de fevereiro
O agente penitenciário Paulo Daniel Pingarilho foi atacado a tiros, não resistiu, e morreu no bairro do Livramento, município de Santarém, oeste paraense. A vítima caminhava despreocupadamente no cruzamento das avenidas Muiraquitã e Rosa Passos, após acompanhar a mãe, que estava em uma clínica, quando foi baleado 3 vezes. Morreu na hora.
11 de fevereiro
 O investigador de Polícia Civil Kleber Kleuson Moraes de Moraes, da Divisão Estadual de Narcóticos (Denarc), foi assassinado. O crime aconteceu na rua Tancredo Neves, no bairro do Telégrafo, em Belém, na porta da casa da vítima.
16 de fevereiro
 O sargento Luís André Costa Nascimento foi assassinado quando se deslocava dentro de uma van na avenida Augusto Montenegro, em Belém. A vítima saiu do trabalho e estava a caminho de casa quando foi baleada com dois tiros próximo a rotatória do conjunto Satélite que dá acesso ao bairro do Tapanã.
17 de fevereiro
 O soldado Moíses de Jesus Chaves foi vítima de disparos de um assaltante que tentou roubar sua moto. O crime ocorreu na Cidade Nova 2, em Ananindeua, próximo à Praça da Bíblia. 

 
▲ Topo>