quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Polícia Militar forma 115 cadetes aspirantes a oficiais nesta quarta-feira

Formar oficiais para servir a população com comprometimento, eficácia e valores humanos. Estes são pilares que os 115 formandos de Segurança Pública e Defesa Social, do Curso de Formação de Oficiais (CFO), da Polícia Militar, têm como prioridade. A formação, baseada em disciplinas jurídicas, sociais e militares é reconhecida como nível superior pelo Ministério da Educação (MEC), por meio do Instituto de Ensino de Segurança Pública do Pará (Iesp), e obedece todas as exigências da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp).
A solenidade de formatura dos cadetes aspirantes a oficias da Polícia Militar será nesta quarta-feira (16), às 8h, na Aldeia Cabana, no bairro da Pedreira, em Belém. Em abril de 2017, os formandos progredirão de patente e alcançarão o posto de 2° tenente.
Um dos aspirantes é Marco Silva Oliveira, que antes de se tornar policial militar era estudante de odontologia na Universidade Federal do Pará (UFPA). A troca de carreira aconteceu quando foi aprovado no concurso público da corporação em 2012. “Eu sempre quis servir à Polícia Militar e, consequentemente, à população. Superei obstáculos para me formar, como uma grave crise financeira e a perda de um filho durante o curso, além do cansaço extremo da rotina de preparação. Na PM eu fiz irmãos para a vida toda e, se não fosse o apoio deles, eu não estaria aqui hoje”, lembra.
Seguindo os passos dos pais, Suzane Patrícia Gomes da Silva, ingressou na Polícia Militar em 2008. “Eu optei me dedicar à população pela Polícia Militar, não foi uma imposição familiar. Tenho orgulho de ser policial, de vestir essa farda e servir. Essa foi a maneira que encontrei de oferecer a minha vida por esse ideal”, conta. Os pais de Suzane, sargento Reginaldo Messias da Silva, policial militar há 29 anos, e Silvia Reis Gomes, cabo há 20 anos, não escondem o orgulho da filha. “Ver que ela abraçou nossa profissão com entusiasmo é gratificante, principalmente pelo ideal que a motivou. Esperamos que ela tenha uma bela carreira pela frente”, diz o pai.
O primeiro colocado entre os formandos foi Jeferson Adriano Lima e Silva. “Nossa rotina é intensa. Antes de ser aprovado no concurso da Polícia Militar, cursava Engenharia de Controle e Automação no IFPA (Instituto Federal do Pará), estudava para concursos públicos em geral e já era soldado desde 2008. A aprovação e formação vieram com dedicação, não existe outro caminho”, lembra.
“Eles vêm para renovar a Polícia Militar. Ingressam com uma mentalidade moderna que apresenta novas habilidades técnicas e humanas. A sociedade ganha com isso, pois nossa abordagem se torna mais eficaz no impedimento de conflitos, além de garantir a cordialidade no tratamento com o cidadão. Estamos aqui para servir e proteger e estes aspirantes estão comprometidos com isso”, explica o tenente coronel da Polícia Militar, Marcelo Chuva Simonetti. 
Por Sérgio Moraes
 
▲ Topo>