sexta-feira, 15 de julho de 2016

Preso professor acusado de estuprar adolescente

O professor de artes Sérgio Aloyzio da Silva Lacerda foi preso em flagrante acusado de estuprar uma menina de apenas 12 anos, em Barcarena, na Região Metropolitana de Belém. A vítima é aluna do acusado desde fevereiro desse ano, quando começou a estudar em uma escola particular.
O crime foi descoberto pelo próprio pai da criança que acionou a polícia e montaram o flagrante. A prisão aconteceu na última quarta-feira (13) e Sérgio Aloyzio está custodiado na Central de Triagem da Cidade Nova, em Ananindeua. Ontem, a menina passou por exames no Instituto de Criminalística e também por atendimento no Pro Paz da Santa Casa, em Belém.
O pai da menina, que pediu sigilo sob sua identidade, contou ao DIÁRIO que descobriu que a criança estava sendo vítima de estupro ao saber que a filha tinha baixado um aplicativo de troca de mensagens instantâneas (Whatsapp). “Eu estranhei. Por que a minha filha iria ter esse aplicativo sendo tão nova?”, questionou-se.
Ao inspecionar o aparelho constatou que o acusado trocava materiais pornográficos com a menina e ainda pedia que ela pesquisasse vídeos de “sexo selvagem” para praticar com ele. “Ele passou a seduzi-la desde fevereiro e só conversava sobre pornografia. Em um dos trechos das conversas chegou a pedir que ela (a menina) enviasse vídeo dela se masturbando para ele”, relatou o pai da vítima.
Ele conversou com a filha sobre o conteúdo que estava no celular e ela disse que tinha medo de contar, mas que já teriam tido relações sexuais por 3 vezes, no último mês. Indignado.
O pai registrou a ocorrência da Delegacia de Barcarena e se fazendo passar pela menina marcou encontro com o acusado na praça, no centro da cidade. “Ele foi e, lá, recebeu a voz de prisão”, contou aliviado. Questionado se na hora do flagrante o acusado apresentou alguma resistência, o pai da vítima disse que nenhuma. “Ele só fez dizer que tinha ‘perdido’”, lembrou.

PRISÃO
 O juiz da Vara Criminal da Comarca de Barcarena, Waltencir Gonçalves, decidiu tornar a prisão em flagrante em prisão preventiva do acusado. No documento, o magistrado leva em consideração que o professor Sérgio Lacerda pode ter feito outras vítimas e por isso é necessário que o acusado seja mantido sob custódia até mesmo para evitar que ele exerça a sua influência em outras vítimas em potencial.
(Denilson D´Almeida / Diário do Pará)
 
▲ Topo>