segunda-feira, 11 de julho de 2016

Porteiro de escola é morto em perseguição

A família do porteiro Ernilson Marques de Oliveira, 38 anos, assassinado com 5 tiros quando trafegava em uma motocicleta, ainda procura entender os motivos do crime. A vítima estava na companhia da esposa Girley da Silva Costa, na travessa WE-32, no conjunto Cidade Nova V, em Ananindeua, região Metropolitana de Belém.

Segundo familiares e amigos que estiveram no local do crime, Ernilson era trabalhador e atuava como porteiro de uma escola em Ananindeua. Ainda de acordo com as informações das pessoas próximas à vítima, ela nunca tinha sido presa nem se sabia sobre eventuais ameaças de morte.

Policiais do 6º Batalhão da Polícia Militar foram acionados pelo Centro Integrado de Operações para atender a ocorrência de duplo baleamento e, quando chegaram ao local, testemunharam que a esposa da vítima, Girley da Silva Costa, havia acabado de ser levada ao Hospital Metropolitano, atingida por 3 tiros - na mão, no braço e em uma das pernas. O estado de saúde da mulher era estável. 

Os policiais informaram que Ernilson Marques de Oliveira já estava morto quando eles atenderam a ocorrência. “Isolamos o local para que o trabalho da perícia criminal tenha êxito”, disse o tenente Hugo.

PERSEGUIDOS

Segundo uma testemunha que estava do outro lado da rua, o casal vinha sendo seguido pelos assassinos em outra motocicleta. “Eles vinham logo atrás e, neste trecho, aceleraram e fecharam o casal. O que estava na garupa, já de arma em punho, fez vários disparos e (depois) fugiram”, disse. A filha de Ernilson e Girley chegou minutos depois e disse aos policiais militares que o pai e a mãe tinham saído de casa para comprar um lanche na WE-32 e que não sabia sobre eventuais ameaças de morte contra os dois. Ela disse, ainda, que o pai já tinha sofrido um atentado recentemente no bairro do Curuçambá, também em Ananindeua, quando, na ocasião, ladrões tentaram roubar a motocicleta de Ernilson. 

O homicídio foi registrado na Seccional Urbana da Cidade Nova por Jorenilson Marques, irmão da vítima. O perito Wamilton Albuquerque confirmou que a vítima foi alvo de 5 disparos de arma de fogo. “A maioria dos tiros foi por trás e o assassino usou uma arma calibre 38, pelos fragmentos encontrados”, informou.

(J.R Avelar/Diário do Pará)
 
▲ Topo>